Vizinhos: como evitar conflitos em condomínios e viver em harmonia?

Tempo de leitura: 6 minutos

Você já passou por essa situação: você está em casa, querendo um período de paz para poder descansar depois de um dia árduo de trabalho e o seu vizinho coloca uma música no volume máximo. Estressante, não?

Esse fato é bastante comum, sendo que pode ocorrer em qualquer vizinhança, mas quando se mora em um prédio, esse é apenas um dos motivos que podem acarretar alguns conflitos em condomínio.

Não são raras as vezes que uma situação simples, que poderia ser resolvida de maneira conciliadora, ganhar proporções críticas a ponto de virar um caso de polícia.

Para evitar isso e conseguir viver em harmonia com seus vizinhos, continue a leitura deste artigo e descubra os motivos que geram os principais conflitos em condomínio e as maneiras de evitá-los.

Animais de estimação

É cada vez mais comum considerar o seu animal de estimação como membro da família, por isso — e principalmente pelo fato de que ter um pet é considerado exercício regular do direito de propriedade — a justiça garante ganho de causa para quem entra com ação pedindo autorização para ter um bichinho dentro do apartamento.

No entanto, para garantir uma boa convivência com os vizinhos, é necessário tomar alguns cuidados, pois existem alguns limites que devem serem respeitados.

As medidas mais comuns são: usar o elevador de serviço quando levar o pet para passear, não o deixar fazer suas necessidades nas áreas comuns — caso ele faça, limpar imediatamente — e tomar cuidados para que ele não faça barulho quando você não estiver em casa.

É bom lembrar que, caso o animal gere problemas em relação à boa vivência no condomínio, é possível que isso seja levado para a justiça, podendo ter como resultado até a expulsão do animal do prédio.

Barulhos

Não existe algo mais desconfortável do que você desejar um ambiente tranquilo para poder descansar, estudar ou até mesmo trabalhar em casa e o vizinho fazer barulhos que conseguem prejudicar os seus planos.

Não é apenas música alta que gera problemas. É possível tirar alguém do sério com uma simples caminhada com sapato de salto ou por causa de uma conversa mais acalorada entre amigos.

Para evitar desconfortos, o primeiro passo é ter bom senso, diminuir o tom após perceber que você está produzindo muito barulho e usar tapetes ou carpetes que consigam abafar o barulho causado por sapatos barulhentos — ou mesmo tirá-los dentro de casa.

Também é necessário respeitar o regulamento dos condomínios, que na maioria das vezes determinam que não é permitido que se faça barulhos após as 22h.

Crianças

As crianças são uma das principais causas de barulhos e, consequentemente, de irritações dos vizinhos, pois caso estejam entediadas, elas tendem a realizar brincadeiras que envolvem correria e pulos dentro do apartamento ou das áreas comuns do edifício.

Uma das maneiras mais eficazes para evitar desconfortos é levá-las até a área de lazer — que muitos condomínios têm hoje em dia e que foram criadas exatamente para isso —, pois o local conta com instalações que conseguirão entretê-las.

Outra medida que poderá ser utilizada é orientar as crianças a não fazerem barulho depois das 22h.

Comércio e trabalho em casa

Com as mudanças na dinâmica do trabalho, é muito comum hoje que profissionais liberais ou autônomos trabalhem em casa, mas um dos motivos de desconforto entre os vizinhos é quando existe a necessidade desse profissional atender clientes em sua residência.

Apesar dos benefícios que o profissional obtém a partir dessa forma de trabalho, os vizinhos poderão se incomodar devido à entrada constante de pessoas estranhas no condomínio, gerando a diminuição da sensação de segurança no edifício.

É bom lembrar que é ilegal manter uma atividade comercial em um condomínio residencial, mas é difícil comprovar que isso ocorra. Dessa maneira, a melhor solução é restringir o acesso de pessoas desconhecidas às dependências do condomínio.

Despadronização do condomínio

É cada vez mais comum que os moradores desejem fazer um fechamento da varanda do apartamento, pois dessa maneira é possível aumentar a área útil da residência, gerando mais conforto e comodidade, além de diminuir os custos com manutenção e limpeza gerados por uma área aberta.

Entretanto, caso cada morador decida realizar um fechamento de maneira diferente, é comum que ocorra a descaracterização da fachada do edifício, gerando uma desvalorização dos imóveis.

Também é comum que os condôminos troquem a porta de entrada de suas unidades, descaracterizando os corredores.

Para evitar esses problemas, o regulamento do condomínio deverá definir um padrão de fechamento para quem deseja realizá-lo, sendo que é comum proibir a realização de qualquer fechamento.

O condomínio também deve conter regras que evitam modificações que afetam a harmonia e o visual das áreas externas dos apartamentos.

Drogas e cigarro

Muitos moradores de um condomínio se sentem incomodados quando seus vizinhos utilizam drogas ou até o mesmo fumam cigarros dentro do edifício.

As atuações de medidas corretivas estão sujeitas ao local em que o condômino utiliza os entorpecentes, pois caso ele faça dentro de sua residência, a atuação é muito limitada. A polícia poderá ser acionada quando os efeitos alucinógenos estiverem incomodando ou colocando em risco os demais moradores.

Quando o uso ocorre nas áreas comuns do prédio, o condômino poderá ser enquadrado pela administração do edifício por realizar conduta antissocial.

No caso dos cigarros, as regras estão atreladas à legislação antifumo, sendo que é proibido fumar nas áreas comuns do condomínio devido a uma lei federal.

Veículos

É uma situação bastante complicada quando você está atrasado para o trabalho e descobre que o seu carro está sendo bloqueado pelo veículo do vizinho.

Isso é bastante comum, e é por esse motivo que a garagem é considerada um dos principais locais que geram conflitos em condomínios.

Para evitar problemas, cada condomínio precisa ter regras claras sobre o uso desse espaço, como determinar a velocidade máxima permitida, onde cada morador deverá estacionar o seu carro e criar punições para o descumprimento dessas regras.

Também é recomendado que, quando você atingir o veículo de um vizinho, deixe um bilhete pedindo desculpas e se identificando, pois além de ser o correto a ser feito, isso facilitará a resolução do problema.

Como você pode perceber, por meio de ações simples e de bom senso é possível ter uma boa convivência com seus vizinhos, evitando conflitos em condomínio. Gostou do post? Então curta a nossa página no Facebook e fique por dentro de outras dicas como essas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *