Como investir em imóveis para carteira de renda residual?

Tempo de leitura: menos de 1 minuto

Você já deve ter ouvido falar por aí que o mercado imobiliário está fraco. Placas e mais placas de aluguéis e vendas se espalham pelas principais capitais do país. Mas sabia que, para quem tem visão de futuro, este é um excelente momento para investir em imóveis?

O que acontece é que a maioria das pessoas acaba errando na hora de escolher um imóvel para investir — afinal, não é tão difícil entrar em uma furada na hora de investir, certo? O mais importante é saber analisar o momento pelo qual o mercado imobiliário passa.

Por que investir em imóveis?

Se você parar para pensar, é difícil conhecer algum investidor que não tenha, pelo menos, um investimento em imóvel. Isso porque essa é uma das melhores e mais seguras maneiras de fazer o dinheiro render.

Motivos é que não faltam para você começar a investir em imóveis. Os principais deles são:

  • Segurança: por pior que seja a crise, a demanda por imóveis sempre vai existir. Um empreendimento dessa natureza está envolvido em praticamente todas as nossas atividades — moradia, academia, escola, banco etc.
  • Potencial de valorização: a demanda por imóveis costuma ser crescente. E quanto maior ela for, mais alto fica o valor.
  • Renda residual: comprar um imóvel requer muito esforço e sacrifício, mas vale a pena. Um imóvel pode render uma espécie de salário sem você precisar trabalhar, por meio de aluguéis, por exemplo.

Gostou da ideia de ter uma renda fixa, mesmo sem trabalhar? Pois, a seguir, vamos te dar dicas de como investir em imóveis para gerar renda residual.

Como gerar renda residual?

A renda residual é um dinheiro que você continuará recebendo no futuro por trabalhos ou investimentos realizados no presente. Ela também é conhecida como renda passiva porque não demanda esforço constante.

Ou seja, você não troca tempo por dinheiro, como em um trabalho comum. Mesmo que você não esteja trabalhando ativamente, terá uma renda. É o sonho de muita gente e não é difícil realizá-lo.

Você não precisa ser uma pessoa experiente nesse ramo para começar, nem mesmo ter uma grande quantia em dinheiro. Existem alternativas que são ideais para os iniciantes.

Vamos, então, às dicas de como investir em imóveis para gerar a tão cobiçada renda residual:

Fundo imobiliário

Os fundos imobiliários são voltados para investimento em diferentes empreendimentos, como galpões, edifícios comerciais e residenciais. Investimentos desse tipo são bem parecidos com a lógica da bolsa de valores.

Você adquire cotas dos empreendimentos a partir de ofertas públicas ou por meio de negociações secundárias do mercado online. A vantagem é a valorização das cotas e a possibilidade de receber rendimentos mensais, como os aluguéis. Todo o lucro do empreendimento é dividido entre os cotistas.

Além disso, você não precisa ter o valor total do imóvel. Pode-se investir valores pequenos, como R$ 1 mil. Por isso, é um bom investimento para quem está começando.

Letra de Crédito Imobiliário

Investir na Letra de Crédito Imobiliário (LCI) é o investimento mais indicado para quem está começando. Ele funciona como um empréstimo que você faz ao banco para que ele faça empréstimo a outras pessoas para que elas realizem a compra de imóveis.

A vantagem é a segurança e o retorno financeiro. Quando solicitar, você recebe o valor investido, acrescido dos juros combinados no momento da aplicação do seu dinheiro.

Consórcio imobiliário

Se você já tem alguma quantia guardada para comprar um imóvel, vale a pena pensar na possibilidade de um consórcio. Para começar, você deve comprar uma cota e contribuir mensalmente com a poupança do grupo, sejam pessoas físicas ou jurídicas.

As prestações são pagas por todos e não possuem juros, apenas incluem fundo de reserva e taxas administrativas. Todo mês ocorrem sorteios e os consorciados podem ofertar lances.

Se contemplado no sorteio ou no lance, você receberá uma carta de crédito para utilizar na aquisição de um imóvel. Depois do imóvel comprado, você poderá gerar renda por meio de aluguéis, por exemplo.

Investir em imóveis não é nenhum bicho de sete cabeças. O importante é acompanhar atentamente a bolha imobiliária para correr menos riscos. Se quiser saber mais dicas e informações sobre esse assunto, assine nossa newsletter.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *