Bebê chegando: 9 cuidados com o imóvel para a segurança da criança

Tempo de leitura: 6 minutos

Muitos casais desejam ter filhos e constituir uma família feliz. Por isso, quando pensam em adquirir uma moradia, eles querem que ela comporte, também, a futura prole. No entanto, há um aspecto que não pode ser despercebido nesse momento: a segurança da criança.

Será que o novo lar apresentará riscos para o pequeno? O que avaliar na hora que visitar um imóvel para comprar? Neste artigo, daremos dicas importantes para identificar e criar um ambiente seguro para as crianças. Acompanhe!

1. Coloque telas nas janelas

Existem apartamentos que não têm grades nas janelas e isso é muito perigoso quando há crianças no imóvel. Afinal, uma breve espiada para ver a paisagem pode acarretar em um acidente fatal.

Para evitar isso, é importante colocar telas de proteção nas janelas e nos vãos da varanda e da área de serviço. Essas barreiras devem ser bem resistentes, a ponto de não ceder caso o pequeno as force.

Seria importante, também, mudar a posição dos móveis, como sofás, poltronas ou cadeiras que ficam próximos às janelas para que não sejam usados como degraus pela criança.

2. Proteja as tomadas

Outro aspecto que exige atenção é a rede elétrica. Para prevenir acidentes, a instalação da residência deve estar em ótimo estado. Caso seja uma moradia antiga, a última manutenção geral deve ter ocorrido no período máximo de dez anos.

Dessa forma, não haverá riscos para a criança, como fios desencapados ou terminais com curto circuito. Além disso, as tomadas precisam receber protetores quando não estiverem sendo usadas.

Do contrário, o pequeno pode enfiar o dedo ou um objeto condutor de energia no orifício da tomada resultando em choque elétrico. No entanto, esses protetores não devem sair facilmente e, se for preciso removê-los, nunca os deixe no chão.

Não é difícil de achar esses itens de segurança em lojas de decoração, utilidades para o lar e de material de construção.

3. Bloqueie locais de risco

Em questão de pouco tempo o bebê cresce, começa a engatinhar e a andar pela casa. Nessa fase, ele quer explorar cada canto do imóvel e, por isso, é fundamental colocar alguns limites. Por exemplo, as escadas devem receber grades que bloqueiem o acesso de uma criança.

Do mesmo modo, seria prudente bloquear a entrada da cozinha, pois é um cômodo com muitos objetos perigosos.

4. Atente para os móveis pontiagudos

É muito fofo ver o bebê dar os seus primeiros passinhos inseguros e uma graça quando cambaleiam e caem ao chão. Mas, devido a esse desequilíbrio natural, móveis com a quina pontuda tornam-se muito perigosos.

Para que o seu pequeno não se machuque, prefira uma mobília com pontas arredondadas. Entretanto, caso já possua móveis com a quina pontuda e não tenha recursos ou não queira mudá-los, há protetores feitos para esse fim.

Em lojas voltadas para utilidades do lar você encontrará protetores de quina feitos com espuma, borracha, silicone e outros materiais. Além disso, eles são fabricados nas mais diversas cores e formas.

5. Analise a tinta

Talvez você queira mudar a cor de um dos quartos para combinar com um ambiente infantil. Essa é uma ótima ideia! Contudo, tenha cuidado ao escolher a tinta: prefira uma que esteja livre de substâncias tóxicas.

Atualmente, existem as tintas orgânicas que, além de não fazer mal à saúde, ainda contribuem para o bem da natureza. Mesmo usando esse tipo de tinta, é recomendável que o quarto seja pintado no mínimo quatro meses antes da chegada do bebê.

6. Prefira pisos antiderrapantes

Para a segurança do pequeno, o ideal é evitar os pisos que favorecem a queda. Em vez disso, opte pelos antiderrapantes como o vinílico, o laminado, o poliuretano e os porcelanatos que tenham uma superfície mais porosa.

Além de darem uma aderência maior, esses assoalhos são fáceis de limpar, portanto mais higiênicos. Eles também são bem resistentes às travessuras dos pequenos, que podem incluir riscos e derramamento de líquidos.

Se for necessário trocar o piso do imóvel, comece pelos ambientes mais úmidos, como o banheiro e a área da piscina.

7. Tranque as gavetas

Como as crianças são curiosas! Por isso, uma porta de armário ou uma gaveta fechada pode ser algo que atice a bisbilhotice tão comum dos pequenos. Sendo assim, qualquer porta ou gaveta deve estar trancada.

Em especial, as que armazenam produtos químicos ou tóxicos, ferramentas, talheres, itens frágeis e qualquer tipo de objeto que possa ser engolido.

8. Use a iluminação correta

Talvez você ache um pouco de exagero, mas até o projeto de iluminação do quarto do bebê exige um cuidado especial. Como assim? Quando lâmpadas muito intensas são instaladas, o bebê pode ficar irritado, ansioso e desconfortável. Por outro lado, uma iluminação mais suave traz aconchego e tranquilidade.

Para conseguir esse equilíbrio, pode ser instalado um dimmer (regulador da iluminação). Com ele, a intensidade da luz é controlada de acordo com a necessidade de claridade no ambiente. Outro método interessante é a distribuição de luzes pelo quarto, que pode ser feita com uma luminária ou um abajur.

9. Olhe para as cortinas

Se você puder evitar as cortinas, faça isso. Afinal, elas são acumuladoras de poeira e causam problemas respiratórios nas crianças. Caso não seja possível se desfazer das cortinas, prefira os modelos com um comprimento menor e sem cordões ou pingentes, pois a criança pode querer brincar com a cortina. Em resultado disso, toda a estrutura pode despencar em cima dela ou os cordões e pingentes tornarem-se instrumentos de risco para enforcamentos.

Além disso, é necessário higienizar frequentemente as cortinas para que não fiquem cheias de poeira, mofo ou ácaros. Uma dica seria optar pelas cortinas voal, que são mais finas e transparentes. Também as de tecido sintético e emborrachado, pela praticidade na lavagem.

Se ainda não instalou as cortinas, prefira as persianas de modelo romana ou rolo, feitas com PVC ou madeira, pois inibem a formação de poeira. Não importa o tipo de cortina que escolher, nunca a coloque próximo ao berço ou na altura de alcance da criança.

Sendo assim, com algumas atitudes, você conseguirá adquirir um imóvel perfeito para a segurança do seu futuro bebê. E se já tiver um pequeno, poderá ficar mais tranquilo.

O que achou de nosso artigo? Gostou das dicas para aumentar a segurança da criança no lar? Você está procurado uma casa para chamar de sua? Então, entenda mais sobre financiamento imobiliário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *